quarta-feira, 12 de julho de 2017

Surdez




Ah! Se eu pudesse, como Florbela Espanca, condensar o mundo em um só grito.
Se ao menos eu pudesse expressar com palavras
o grito em mim guardado por um sentinela morto de fome.
Se eu pudesse voar num pescoço de um Cisne até Pasárgada.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!
Grite seu merdinha!
- Estou cansado de tudo isto!
Nada de interessante acontece nesta merda.
Aqui, agora mesmo,
uma formiga, coitada, desconhecendo sua própria força, tenta carregar um pedaço de pizza centenas de vezes maior que ela.
Sendo eu, comeria até encher minha pança, voltaria feliz o e o restante do formigueiro que se explodisse.
Falta nos homens a honra das formigas.
Minha mãe, conhecendo a vida bem mais que eu,
fofoca com meu irmão sobre os relacionamentos dos vizinhos e o dinheiro que eles dão as mocinhas pra conseguir sexo fácil.
"Umas rapariguinhas daquelas! A Madalena, obrigou a filha deixar um homem rico, que lhe dava tudo - e agora namora o próprio tio. Pobre coitada!" 
Juro que essas palavras saem da boca dela enquanto escrevo isto. Eu não quero ouvir, mas sou obrigado!
Se eu pudesse proferir um grito que me tornasse surdo,
Se eu pudesse condensar o universo em um só urro.
Ah, seu eu fosse um leão na África eu deixaria as hienas comer metade dos alces do mundo.
Se eu fosse um tigre, eu correria até a Sibéria só pra morrer de frio.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!
Se eu pudesse morar num poço sujo e imundo e ninguém me chamasse de louco, juro que iria.
Estou cansado desta merda toda!
Vão tomar no cu, eu não tô ouvindo não! 
Perdi os ouvidos. Diga homi, diga?

Nenhum comentário:

Postar um comentário